Newsletter
Notícias

Economia solidária ajudará tirar 600 famílias da situação de pobreza extrema em MS

22/06/2017

Mais de 600 pessoas que vivem em situação de extrema pobreza em Mato Grosso do Sul passaram a ter novas perspectivas com as ações desenvolvidas pelo Governo do Estado, por meio do Projeto MS Solidário.

O trabalho é executado em parceria com a Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), órgão do Ministério do Trabalho, e prefeituras municipais, com o objetivo de propiciar a geração de renda às famílias que vivem em quilombolas, aldeias indígenas e assentamentos.

Também fazem parte do público-alvo ambulantes, artesãos e outros que enfrentam dificuldades para sobreviver. “Não temos mais que perder tempo teorizando a contraditória relação capital e trabalho para buscar a explicação da miséria e da pobreza. Precisamos, sim, de ações práticas, políticas públicas como a que o nosso governo vem desenvolvendo e, sobretudo, solidariedade. Se não fortalecermos essa corrente pouco se avançará na erradicação da pobreza”, comentou o governador Reinaldo Azambuja.

Para ele, em momentos de crise econômica, como a que o Brasil atravessa, é importante as parcerias para implementar ações que propiciem a geração de renda às famílias em situação de extrema pobreza.

O projeto MS Solidário é executado pela Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul (Funtrab), com recursos do Ministério do Trabalho e do Governo do Estado.

As prefeituras também participam, ficando responsáveis pela mobilização do público-alvo e viabilizar local para a realização de oficinas e seminários, onde os interessados recebem toda a orientação de como criar uma fonte de renda para melhorar a qualidade de vida de suas famílias.

A meta para este ano é oferecer 26 oficinas e 44 seminários. Só nas oito oficinas já realizadas foram 155 participantes e nos 14 seminários houve o comparecimento de 450 pessoas.

Na semana de 19 a 23 deste mês, os técnicos da Funtrab estarão realizando oficinas em Novo Horizonte do Sul e Taquarussu. Em Mato Grosso do Sul, o projeto tem como lema “a economia solidária contribuindo para a superação da extrema pobreza”.

Em Mundo Novo, o Governo do Estado, em parceria com a Prefeitura, está ajudando na retomada da Cooperativa Arts Fish, criada em 2004 e que estava há dois anos desativada.

A nova presidente é Selma Schuindt Feitosa. Ela disse que a entidade está recomeçando com 10 mulheres associadas que aprenderam a produzir artesanato tendo como matéria-prima o couro de tilápia, fornecido pelo frigorífico da Associação dos Piscicultores do município.

As mulheres fizeram curso para aprender a usar o couro de peixe na confecção de chaveiros, tiaras, capa de agenda, bolsas e carteiras masculina e feminina.

Também tiveram aula de design com um especialista que veio de Brasília para ensiná-las como produzir as peças com visual que atraia o consumidor. Nesta fase, estão trabalhando com sete cores e a expectativa é fazer 70 peças por dia.

Por enquanto, tudo é feito manualmente. A presidente da Arts Fish disse que há três anos trabalhava com crochê e agora, com a retomada das atividades na cooperativa, a expectativa é que todas possam melhorar a renda. Por enquanto, o dinheiro das vendas está sendo destinado ao pagamento das despesas da entidade.

Outra integrante do projeto é Maria Lúcia dos Santos, que antes cuidava da casa e ajudava na composição da renda familiar trabalhando como diarista. “Temos muita fé. Só o meu marido, que trabalha numa fecularia, é que sustenta a casa e temos um filho de 14 anos, então isso aqui vai ajudar bastante”, afirma.


Campo Grande News